ZPE localizada no Quinari pode perder o título de alfandegada

A tão propalada Zona de Processamento de Exportação (ZPE) do Estado e que seria a solução para todos os problemas econômicos e sociais do Acre, pode estar com os dias contados. Tudo por conta da possibilidade de perder o selo de ZPE alfandegada e, com isso, ficar totalmente inviabilizada antes mesmo de conseguir atrair uma indústria sequer nestes seis anos de existência. A denúncia foi feita no plenário da Câmara dos deputados pelo deputado federal Major Rocha (PSDB) na tarde desta quinta-feira (3).

Mostrando-se em um misto de indignação em relação a propaganda oficial nos últimos anos e preocupação com o futuro da ZPE acreana, Rocha relatou ser todo o problema apenas pelo fato do governo do Estado não pagar o sistema exigido pela Receita Federal para a ZPE poder existir.

Por conta disso, a unidade acreana pode ser desalfandegada e perder totalmente sua razão de existir, pois os produtos nela produzidos – se isso acontecer algum dia – não poderão sair do país e serem exportados.

“O caso me deixou muito preocupado, pois recebi ontem [2] um expediente do presidente da Associação Brasileira das ZPEs, Eldson Braga, onde ele relatou os problemas na ZPE do Acre por conta do não pagamento do sistema da Receita Federal, o que pode pôr a perder todo investimento já realizado”, comentou o deputado.

Rocha destacou já serem seis anos com o PT mentindo e dizendo ser a ZPE a solução para os problema de geração de renda e empregos, mas destacou: “Agora a máscara caiu, pois a ZPE está para ser desalfandegada. Só existem duas unidades alfandegadas, a do Acre e a do Ceará e, em breve, somente esta vai estar apta a exportar”.

O deputado lembrou o recente estrago ocorrido na unidade exportadora acreana, onde um vendaval quase destruiu tudo. “E agora parece que vão deixar acabar no que diz respeito às autorizações alfandegárias. Tudo por conta da irresponsabilidade dos que prometeram, não cumpriram e deixaram acabar”.

Rocha finalizou: “Jorge [Viana], Binho [Marques] e Tião [Viana] prometeram muito e não conseguiram instalar uma indústria sequer. Agora abandonam toda a estrutura e investimento existente. É triste ver este tipo de coisa acontecendo no meu Estado, pois ao invés de irmos para a frente, estamos em marcha ré quando o tema é desenvolvimento econômico e social”.