Jovem de 22 anos conta os motivos pelos quais aderiu ao ciclismo como esporte favorito

*Gilberto Moura – Especial para o Portal Quinari

No momento no qual a juventude parece está mais conectada e esqueceu de praticar esporte, o Portal Quinari conta a história da estudante de sistemas da informação Pablinny Critina, 22 anos, moradora da capital,  que aderiu ao ciclismo há três meses. Ela fala dos desafios e como tem sido seu empenho em participar de competições.

Qual a sua rotina?

Pablinny Cristina – Minha rotina de estudante (Estudando para reta final da minha formação), não trabalho no momento e nas horas livres gosto de pedalar e sair com os amigos, família.

Como resolveu ser uma ciclista?

Pablinny Cristina – Eu já gostava de bike, já pratiquei vários esportes e sempre gostei e foi atrás de um amigo que chamou eu para ir pedalar. E foi daí que surgiu a paixão por estrada e trilhas. Comecei a gostar e querer mais e mais. Tenho só 3 meses de cilcismo e não pretendo parar!

Seus familiares pedalam?

Pablinny Cristina –  Não pedalam, só eu.

Qual a sua bicicleta?

Pablinny Cristina –  Devido questões financeiras eu não tenho minha própria bike, é um sonho que pretendo conquistar. Eu pedalo com bike dos meus amigos.

Com apoio de amigos ela vem superando as dificuldades e diz que não vai desistir.

Como jovem mulher você encontra no ciclismo algum problema no que se refere ao machismo?

Pablinny Cristina –  No ciclismo existe sim um pouco de machismo, por que nas mulheres não aguentamos o mesmo ritmo que os homens. Mas digo que isso é besteira, nos aguentamos sim até mais, mostramos que somos “Brutas” que não existe moleza.

Como o ciclismo recebe a jovem que deseja entrar para esse segmento esportivo?

 Pablinny Cristina –  Sempre de braços abertos para novos talentos, até por que é difícil meninas da minha idade está interessada em entrar no ciclismo.

Qual o conselho que você daria para as jovens que estão sem praticar um esporte? Você as convida para pedalar?

 Meninas que gostam, acha legal. Experimente!! Não tem a melhor sensação do que pedalar. Deixe aquela ideia que só os homens pedalam, que o ciclismo só é para os homens. Nada disso, mulher também! Convido todas a experimentar.

 O ciclismo ajuda para certo padrão do corpo?

 Sim, ajuda a circulação do corpo, e respiração. Principalmente para saúde. É um exporte que mexe com corpo inteiro.

 Qual seu maior sonho no campo do ciclismo?

 Pablinny Cristina –  Meu sonho é superar meus limites. Querendo pedalar mais e mais.

Pablinny Critina conta como tem sido sua experiência com o ciclismo.

 Quantos quilômetros tem pedalado? Como foi no inicio?

Pablinny Cristina –  Eu até agora pedalei mais de 347km, fora alguns momentos que vou pedalar e não registro meus kms.  E cada vez pedalo quero mais. Eu não me importo com a modalidade se é MTB ou speed, importante é o esporte. Minha primeira vez, foi uma vitória uma ida para aeroporto de rio branco todos falam que a pior ladeira e uma das melhores para treinar é ladeira do Custódio Freire, eu subir sem nem um problema.

Considerações finais:

Pablinny Cristina –  Algumas pessoas duvidaram que para eu que era minha primeira pedalada não iria subir. Pois eu subir. E foi daí que comecei.

E cada vez que pedalo quero pedalar mais e mais, foi quando resolvi competir e estou aí. Querendo resultado, e tendo garra, força e foco!

Não importando se eu sou a última, mais que você consiga chegar ao objetivo, por que um dia com muitos treinos você chega em primeiro.

E agradeço apoio de meus amigos, da Equipe Five Bikes que estão me incentivando cada vez mais a acreditar no meu potencial.

Não deixe de fazer o que vocês gostam, querem fazer alguma coisa faça! Não fique parado (a) esperando o tempo passar, aproveite o que a vida lhe oferece. Eu aproveitando pedalando!