Rodovias do Acre ficam sem radares de monitoramento em virtude de multas abusivas

População não concorda com radares que funcionam como indústria de dinheiro aos governos e derrubam os mesmos.

Em três pontos das BRs 364 e 317, no entorno de Rio Branco, os radares de monitoramento e controle de velocidade foram destruídos por vândalos. Os equipamentos foram quebrados, jogados ao chão e até alvejados a tiros. A ação criminosa deixou pontos mapeados como de alto risco de acidente expostos a novos registros negativos.

Na 364, o radar estava fixado a 1 do acesso a estrada de Boca do Acre e foi derrubado a cerca de cinco meses.

Na 317, o primeiro equipamentos a ser alvo do vandalismo estava localizado nas proximidades da Alcoobrás. O segundo, em frente a ZPE de Senador Guiomard. Neste caso, um morador da região contou a reportagem, que o motorista de um caminhão deu ré e derrubou a torre que fotografava os veículo que passavam acima da velocidade permitida, que é de 50 km/h.

Um segundo motorista, também em um caminhão, relatou o morador, tentou derrubar a torre do painel que mostra a velocidade desenvolvida pelo veículo ao passar no local. Apesar do impacto, o equipamento não caiu, mas ficou danificado.

Para piorar a situação, o contrato com a empresa que dava manutenção nos radares acabou e uma licitação aberta em Brasília para reimplantar o serviço se arrasta na justiça por causa de disputa entre as empresas participantes do certame.