Puraquê não ataca humanos, diz especialista

O peixe desenvolve a estratégia do choque para fugir de predadores, segundo especialista.

Banhistas que se refrescavam no Igarapé Preto, em Cruzeiro do Sul, no último fim de semana, se assustaram com um puraquê preso a uma rede de pesca no local. O peixe é conhecido por liberar descargas elétricas contra predadores ou possíveis ameaças e costuma habitar águas escuras, comuns no Vale do Juruá.

Apesar do susto, o professor doutor especializado em anatomia de peixes pela Universidade Federal do Acre, André Casas, explica que o animal não oferece riscos aos humanos.

“O peixe desenvolve a estratégia do choque para fugir de predadores, ou seja, é uma estratégia de escape nunca de ataque. Não há, oficialmente, nenhum relato de acidente causado por puraquê na nossa região”, declara.

O especialista aproveita para esclarecer as características do animal: “Um quarto do peixe está restrito a cabeça e abdômen, os outros três quartos são formados pela cauda. Esta cauda é a responsável por gerar a descarga elétrica, que pode chegar a mil volts”, diz.

Agazeta.net