Instituto Federal do Acre inaugura Espaço de Ciências aberto a comunidade

O Instituto Federal do Acre (Ifac) inaugurou um novo espaço de estudo e divulgação das ciências, em Rio Branco. Denominado Espaço Ifac de Ciências, o local é aberto para visitação do público e tem funcionamento de segunda-feira a sexta-feira, das 14h às 20h. O ambiente, que foi criado a partir de um projeto do professor do Ricardo Pereira, em conjunto com alunos e ex-alunos do Ifac, conta com modelos didáticos que retratam a história da Biologia.

Devido a diversidade de itens da exposição, o local é um ótimo destino para estudantes. De acordo com Ricardo Pereira, o ambiente também está aberto para o agendamento de escolas que tenham interesse em levar alunos para visitação. As solicitações podem ser feitas através do e-mail: ricardo.pereira@ifac.edu.br.

A inauguração do Espaço Ifac de Ciências, que aconteceu na última segunda-feira (11.09), faz parte da III Semana de Biologia do Ifac que está sendo realizada no campus Rio Branco. As atividades, que acontecem diariamente das 14h às 21h30, seguem até o dia 15 de setembro.

Trabalho manual

Pereira explica que os modelos foram construídos por alunos dos últimos períodos do curso de Ciências Biológicas. Segundo ele, devido à ausência destes materiais para ilustrar os conceitos aprendidos em sala de aula foi preciso usar a criatividade.

“Durante o período em que fui professor da disciplina de Fisiologia Humana e Comparada fiz o desafio para que os próprios estudantes construíssem os modelos que usaríamos em sala de aula. O trabalho foi tão bem feito que precisávamos expor em algum lugar. A partir daí surgiu a ideia de se criar o Espaço Ifac de Ciências”, explicou.

Além de montar os modelos didáticos, os estudantes também se preocuparam com a inclusão. O professor do Ifac explica que todos os itens que fazem parte da exposição foram feitos em alto relevo, além de conterem fichas de informações com descrição em braile.

“Para que as pessoas com deficiências pudessem ter acesso à informação, os trabalhos foram produzidos em texturas diferentes e com fichas descritas em braile. Além disso, em breve lançaremos o site do projeto, que também contará com vídeos explicativos em Libras”, ressaltou Pereira.