Editorial: Meninos (a) o povo viu e vê!

A Coerência e caldo de galinha não faz mal a nenhum indivíduo que queira não passar vergonha e se tonar uma pessoa folclórica que ninguém respeita.

Parece não ser esse o entendimento de vereadores, vereadoras e alguns “militantes” se é que se pode chamar de militante. 

No passado um grupo que miava agora ruge como um leão. O motivo? Saíram do poder, e estão como loucos na busca de criarem situações para tentar um espaço de poder.

Não é demais lembrar a postura lambe botas que rendeu denúncias na justiça de vários agentes do município. 

Há um certo tipo de crítica que não surte efeito nenhum. São essas eivadas de interesses, onde o próprio povo têm combatido nas redes sociais.

Por outro lado, os agentes que estão no poder não poderão deixar de considerar as reivindicações justas e que refletem a coletividade. 

Por ora, não se deve crescer e evoluir mais que o limite estabelecido pelas decisões judiciais, pois como sabido, no direito tudo depende. 

Sabe-se que o poder também gera insatisfação. Deve se combater a cada dia os interesses pessoais do amigo mais próximo e do inimigo mais longe. 

Melhor é os bobos da corte guardarem as fantasias. Melhor é os recalques serem colocados em outro canto. Melhor é pensar no bem maior, que é o Quinari, pois a cidade não poderá nunca perder com a intempestividade da política. 

Passar bem, se conselho fosse bom não se dava, vendia. Diz o ditado da época da vovó.