Denúncia na Câmara é orquestração de afastados e investigados para voltarem ao poder

Teor de denúncia feita na Câmara pelo ex-coordenador de transporte da educação é a mesma do agravo regimental de André Maia para voltar ao poder.

O desespero bateu à porta. É assim que pode ser definida a tese levada ao Pleno do Tribunal de Justiça do Acre – TJAC, pelo advogado Márcio José Castro de Aquino que patrocina a defesa de André Maia, prefeito que fora preso, logo afastado das funções do executivo em Senador Guiomard.

Atuando em comunhão de desígnios (pensamentos) com o o conhecido Jarlison Almeida de Holanda, que exerce as funções de Presidente do Conselho Municipal de Merenda Escolar, também suspeito de utilizar as funções para obter vantagens indevidas, a peça do advogado no Agravo Regimental proposto pelo então Prefeito André Maia, guarda grande semelhança com o documento assinado pelo denunciante e protocolado na Câmara.

“Fica evidente no comportamento do denunciante, dos vereadores denunciados pelo MPE e do prefeito afastado de suas funções, que ao promoverem o desgaste do Prefeito Gilson, a expectativa seria retomar a Prefeitura”, explica os advogados do Prefeito em exercício.

Os fatos que viraram uma Comissão Parlamentar de Inquérito – CPI, em sua totalidade estão no agravo regimental de Maia, inclusive questionando as nomeações realizadas pelo Prefeito Gilson Pessoa.

Os documentos serão todos levados à exame pelo Delegado Eduardo Gomes, pois no entender dos advogados de Gilson, resta demonstrado autoria e materialidade na tentativa de fazerem cessarem auditorias internas realizadas na Prefeitura do Quinari, bem como responsabilização de ex-gestores, como o próprio Jarlison Almeida.

Síntese dos fatos.

  1. Jarlison Almeida era coordenador de transporte da SEMED na gestão André Maia;
  2. Jarlison é suspeito de usar o Conselho de Merenda Escolar para obter vantagens indevidas;
  3. É de Jarlison a denúncia que abriu uma CPI na Câmara;
  4. A CPI aberta na Câmara é composta por três denunciados, sendo Magildo Lima, Cleilton Nogueira, e Idalete Holanda, todos acusados de receberem valores indevidos de André Maia;
  5. O Presidente da Câmara também é investigado, contra ele pesando inúmeras denúncias;
  6. No entender dos advogados de Gilson Pessoa, trata-se da tentativa de atrapalhar as investigações e agora comprovadas por documentos.