Batalha de Hip-hop mobiliza jovens do Quinari no final de semana

O movimento acontece todos os sábados na Praça Central, a partir das 19h. Foto cedida.

Quem passa pela praça do Quinari no finais de semana não imagina que nasce naquele local uma manifestação cultural já existente em outras cidades do Brasil, o Hip-hop.

O grupo iniciou no ano de 2017 com 5 integrantes. Ricardo Oliveira, jovem coordenador do movimento disse que tudo se legalizou em janeiro, conseguindo um documento para ocupar o espaço. Na atualidade já são 20 integrantes na faixa de 15 a 20 anos.

“Queremos ser reconhecido por todos na cidade e não pela minoria. Queremos mostra pra todos que podemos ser alguém na vida através da cultura. E que a cultura no nosso município existe somos prova disso. E que o que fazemos não e coisa de vagabundo como alguns pensamentos Estamos tentando salvar vidas do crime para vir para o Hip-hop”, explicou Ricardo coordenador do grupo.

ORIGEM

O hip-hop surgiu na década de 70 como um movimento cultural entre os latino-americanos, os jamaicanos e os afro-americanos da cidade de Nova York mais precisamente no sul do Bronx.

O disc-jockey Afrika Bambaataa é considerado como o pioneiro e criador deste movimento social altamente influente.

Em 12 de Novembro de 1973, fundou a Zulu Nation, uma organização com objectivos de auto-afirmação que promovia o combate através das quatro vertentes do hip-hop e que invocava “Paz, União e Diversão”. Esse dia é, até hoje, celebrado como sendo o dia do nascimento do hip-hop.

CARACTERÍSTICAS

Geralmente, as roupas utilizadas no hip hop são largas, para que os movimentos fiquem maiores, dando mais efeito visual para a dança. Também são utilizados bonés, muitas vezes virados para trás ou de lado. Na maioria das vezes, as roupas são vistosas.

BIBLIOGRAFIA

A dança de rua originou-se nos Estados Unidos, em 1929, época da quebra da bolsa de Nova York e da grande crise econômica. Músicos e dançarinos dos cabarés americanos urbanos, desempregados como conseqüência da crise, passaram a realizar suas performances nas ruas.

Nas décadas seguintes (30 e 40) outros ritmos de origem afro-americana, como o Blues e o Rhytm and Blues influenciaram a dança de rua. No fim dos anos 60, o cantor americano James Brown criou um novo ritmo que influenciou muito a dança de rua: o Soul (ritmo de origem afro-americana). Mais tarde, o funk (também de James Brown), a música Disco e o Rap também influenciaram a dança de rua. O Breaking surgiu na década de 80 como uma vertente da dança de rua, e foi disseminado pelo mundo rapidamente, tendo como principal precursor o americano Michael Jackson.

Mais do que um estilo de dança influenciado por vários ritmos, a dança de rua sempre foi associada à cultura e a identidade negra, sobretudo a partir da década de 70. Nesse período, o movimento que teve início com a dança se estendeu para outras manifestações culturais e artísticas, como a pintura, a poesia, o grafite e o visual (modo de se vestir, de andar, etc.). A esse novo estilo nascido nos guetos nova-iorquinos (Bronx, Brooklin e Harlem) deu-se o nome de Hip – Hop.