Apae quer prédio público para voltar a se instalar no Quinari

A presidente da Apae em Rio Branco, Cecília Maria de Souza, comentou a importância dos trabalhos da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae).

Na sessão desta terça-feira, 29, um dos temas debatidos na Câmara foi o pleito da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais-APAE que deseja se instalar no Quinari após ter deixado o município em 2005.

O Centro Municipal de Atendimento Pedagógico Especial – CEMAPE, foi criado em Senador Guiomard em 2005 após o fechamento da APAE. O Centro funciona como um suporte de apoio para as escolas municipais e estaduais.

A presidente da Apae em Rio Branco, Cecília Maria de Souza, comentou a importância dos trabalhos da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) não só para as famílias de pessoas com deficiência, mas também para sociedade como um todo. “Para ajudar alguém não precisa necessariamente sentir na pele o problema”, disse Cecília.

A entidade mira o prédio moderno construido e já reinaugurado do Centro de Atendimento Pedagógico Especial – CEMAPE que atende os especiais para se instalar na cidade, mesmo sabendo que o prazo de uso do imóvel deve ser respeitado pela Prefeitura junto ao Ministério da Defesa.

O tema carregado de sensibilidade levou a presidente da organização a fazer uso da tribuna do legislativo e emocionada, como a mesma disse, de todas as formas buscou convencer os vereadores da importância do trabalho e tenta junto a Prefeitura administrar o Centro que atualmente atende a demanda.