Alan Rick é flagrado vendendo o seu voto a favor de Temer

Dessa vez a ultraja que humilha o Acre e os acreanos é patrocinada pelo deputado federal Alan Rick (DEM) que foi flagrado na tarde de ontem, no plenário da Câmara dos Deputados, vendendo seu voto a interlocutores do presidente Michel Temer (PMDB), que luta de forma desesperada para não ser investigado pela prática de corrupção ativa, acusação lançada pela Procurador Geral da República, Rodrigo Janor, no episódio que ficou conhecido como ‘escândalo da mala’, alusão ao flagrande de ex-deputado peemedebista do Paraná Rocha Loures, filmado correndo com uma mala recheada com R$ 500 mil reais, dinheiro que a Procuradoria da República identifica Michel Temer como destinatário. O pagamento pela compra do voto do parlamentar acreano, de acordo com matéria publicada no início da tarde pelo portal UOL Notícias, viria na forma de pagamento de emenda parlamentar impositiva.

“A reportagem flagrou o momento em que Imbassahy conversava no fundo do plenário com o deputado Alan Rick (AC) e com o líder do DEM na Câmara, Efraim Filho (PB), sobre a liberação de uma emenda”, diz a matéria do UOL.

Imbassahy é Antônio Imbassahy, ministro da Secretaria de Governo da Presidência da República. Ele foi exonerado do cargo especialmente para marcar presença no plenário da Câmara hoje e ajudar Michel Temer a se livrar da investigação por crimes de corrupção passiva, obstrução à investigação de organização criminosa e participação em organização criminosa.

Alan Rick, inobstante o flagrante de corrupção, se diz pastor evangélico. Quando da votação a favor do impeachment da presidente Dilma Rousseff, em abril do ano passado, Alan Rick teria justificado seu voto dizendo que seu posicionamento estava calçado em nome da moralidade e na prática honesta no uso dos serviços públicos.

A reportagem do UOL afirma ter abordado Alan Rick após a conversa com Imbassahy e este teria admitido a conversa sobre a liberação de uma emenda apresentada por ele para reforma do prédio da sede regional da Fundação Nacional de Saúde (Funasa) do Acre.

“Aloquei um emenda impositiva para reforma do prédio da Funasa, mas ela nunca foi liberada pelo governo. O ministro disse que liberaria”, contou o parlamentar do Acre.

Jornal Página 20