Adoção gera novas perspectivas para criança de Xapuri

Um casal de Xapuri deixou de ser apenas guardião de uma criança para ser, oficialmente, os pais. A adoção foi concedida pela 2ª Vara da Infância e Juventude da Comarca de Rio Branco.

Em abril, o menino completou dois anos de idade. O mesmo período que possui de convivência com os pais, já que os adotantes têm contato com a criança desde o nascimento.

Segundo os autos, desde a gravidez, a mãe biológica tinha certeza que entregaria o infante à adoção. Na época do parto tinha 17 anos de idade e residia na zona rural, por isso afirmou não ter capacidade financeira e emocional para cuidar do filho.

A situação foi regularizada na medida do cumprimento das etapas prescritas pela legislação e confirmada com a homologação judicial. Os requerentes dispensam cuidado e amor ao adotando, que se encontra integrado ao seu lar.

Desta forma, o juiz de Direito Manoel Pedroga, que estava respondendo pela unidade judiciária, concluiu que a adoção apresenta reais vantagens para a criança.

Como funciona a Adoção

O Dia Nacional da Adoção é celebrado hoje, 25 de maio. A adoção é uma alternativa saudável para garantir os direitos a uma criança ou adolescente, já que uma família adotiva pode suprir as necessidades do infante, que se encontrava em estado de vulnerabilidade.

Para se habilitar, é preciso ter no mínimo 18 anos de idade, porém ser no mínimo 16 anos mais velho que o adotado. Um destaque importante é que não importa o estado civil.

Após entregar documentação e cumprir os requisitos, os pretendentes fazem curso de preparação psicossocial e passam por entrevistas. Por fim, é feito o registro no Cadastro Nacional de Adoção. (GECOM-TJAC)